Paz


A paz é como aquele suspiro, leve e inocente, que a gente dá durante o sono. Tem a leveza de uma folha de outono, e a delicadeza de uma bolha de sabão. É a gostosa sensação de quem aprende a lição. Ou encontra um bichinho perdido, ou visita um amigo querido. Paz é andar descalço, onde tudo é verdadeiro e nada é falso. Onde tem paz não tem criança pedindo esmola na rua, não tem poluição escondendo a lua. Paz é futebol sem briga, pic-nic sem formiga, cidade sem ladrão, não ter medo de injeção. Vampiro sem dente. O tristonho contente. Paz é cole de mãe e abraço de pai. Outro dia, quietinho num canto, olha só o que pensei: "A paz é tão boa, mas tão boa, que deveria ser lei.".

Um comentário:

Anônimo disse...

Muitoo bom :D